21 de setembro, 2018

Notícias

Home » Destaques » A cada 100 produtos, 10 não estão nas prateleiras dos supermercados

A cada 100 produtos, 10 não estão nas prateleiras dos supermercados

Pesquisa aponta que leite longa vida, sorvete, cerveja e frango somem das gôndolas.

 

A cada 100 produtos, 10 não estão nas prateleiras dos supermercados é o que aponta pesquisa realizada pela Neogrid/Nielsen em 10 mil estabelecimentos de todo o país. O chamado de índice de ruptura nos supermercados mede a falta de produtos nas gôndolas e chegou a 10,29%, em janeiro.

Os produtos que tiveram maior falta são: leite longa vida — o item com o maior índice de ruptura com 15,3%. A lista ainda é completada com cervejas (14,2%), sorvetes (12,8%), frango in natura (12,1%) e refrigerantes (11,5%). O que isso quer dizer na prática? Que há um descompasso entre a produção industrial e o varejo.

Para Robson Munhoz, vice-presidente de Operações da Neogrid, a indústria e varejo ainda tentam entender as escolhas do consumidor. “A crise faz com que o comprador mude seu comportamento e isso interfere em toda a cadeia produtiva. A indústria tenta repassar para o varejo o aumento dos preços. O varejo, por sua vez, negocia com a indústria para conseguir um valor melhor e nesse impasse os produtos não chegam às prateleiras dos supermercados”, explica.

Uma mudança no comportamento do consumidor que tem grande impacto é a busca pelo menor preço e a substituição de mercadorias. “Se eu tenho duas marcas de leite, vou escolher aquele com o preço menor”, diz. Na percepção de Munhoz, as pessoas diminuíram a frequência aos restaurantes. “Uma medida para enxugar o orçamento é comer em casa, o que reflete diretamente nas compras. As promoções tipo pague 2 e leve 3 também aumenta o consumo e nem sempre a indústria está preparada para isso.”

As compras nos chamados ‘atacarejos’, redes que vendem por atacado e varejo, também tem um impacto. O consumidor opta por embalagens econômicas ou compra em grande quantidade para estoque. “Público trocando produtos por mais baratos, a busca por ofertas e a substituição. No Natal, por exemplo, muitos deixaram de comprar peru, por exemplo, e optaram pelo frango, mais barato.” ECONOMIA Do R7.

 

Comentários