01 de dezembro, 2021

Notícias

Home » Destaques » A inflação, enfim, mostra as garras – e o comércio sofre

A inflação, enfim, mostra as garras – e o comércio sofre

Imagem: jcomp - br.freepik.com

Por André Sacconato

É bem provável que, neste ano, algum conhecido ou parente nosso tenha dito a seguinte frase: “Não consigo mais comprar o que comprava antes com o meu salário”. Isso é verdade, em um país que, apenas nos 12 últimos meses, apresentou quase 11% de inflação. E este valor é da média, pois alguns itens essenciais subiram mais do que este valor. Alimentos subiram 11,71%; frangos e ovos, 28,92%; combustíveis, 31,52%; e habitação, 14,77% – todos em um ano. Até os serviços de streaming, tão usados hoje em dia, subiram 16,5% no período entre novembro do ano passado e outubro deste ano.

Assim, o poder de compra da população, considerando que a barganha dos trabalhadores é muito baixa num mercado de trabalho bastante debilitado, já começa a cair sensivelmente. Isso já começa a ser percebido nos dados de outubro, na divulgação da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O comunicado do instituto foi o seguinte:

“Neste último [dado], de setembro de 2021, o fator determinante é a inflação. Isso fica claro quando comparamos a queda de 1,3% no volume e a variação de -0,2% na receita, estável. O componente que joga o volume para baixo é a inflação. As mercadorias subiram de preço”.

Portanto, a segunda queda seguida do indicador geral do comércio, em setembro – com baixa de 1,3% – foi forçado, em boa parte, pelo aumento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que continua acelerando.

As reduções em comparação a setembro de 2020 são ainda mais dramáticas: 22,6% em móveis e eletrodomésticos, e -14,8% em equipamentos e material para escritório. Este movimento indica que as pessoas estão comprando mais itens básicos, sobrando menos para gastar com itens considerados não essenciais.

Além disso, o aumento da inflação ainda tem um efeito indireto: como o Banco Central (Bacen) é obrigado a aumentar os juros básicos para combater esse aumento, a população começa a sentir o crédito mais caro na ponta do consumo; já estamos vendo os saldos de crédito se estabilizando, e novas concessões diminuindo.

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) apontou, na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), que, considerando a capital paulista, o número de endividados bateu novo recorde em outubro: 2,84 milhões, representando 71,3% do total dos lares. É a 11ª elevação consecutiva. Para se ter uma ideia, em setembro, este número era de 69,2%

Portanto, o aumento de juros terá como efeito não apenas a diminuição das compras no comércio (diretamente pelo encarecimento do crédito), mas também porque o custo das dívidas deve aumentar, diminuindo a renda disponível para consumo.

Em suma, a sensação de otimismo – que, antes, era atribuída à reabertura dos estabelecimentos e ao aumento da vacinação – está restrita apenas ao fim de 2021, em razão do décimo terceiro e da poupança, acumulada na pandemia. O cenário não mostra 2022 muito promissor para o setor, o qual terá de conviver com inflação mais alta, juros mais elevados, endividamento e maior concorrência com o setor de serviços, principalmente o turismo. Assim como em outras variáveis do sistema econômico, o comércio começa a se inquietar para o ano que vem.

https://www.fecomercio.com.br/noticia/a-inflacao-enfim-mostra-as-garras-e-o-comercio-sofre

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá! Tudo bem?
Como podemos te ajudar?