fbpx
25 de janeiro, 2020

Notícias

Home » Destaques » Acordo ambiental SP

Acordo ambiental SP

 

Informamos que o Governo de São Paulo, por meio da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo e da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), lançou, no último dia 29/11, o Acordo Ambiental de São Paulo, durante a cerimônia Pré-COP 25.

Com mais de 50 empresas inscritas, o Acordo Ambiental de São Paulo incentiva a implantação de novas tecnologias nas empresas e adoção de soluções sustentáveis inovadoras, tornando as participantes mais eficientes na questão das mudanças climáticas. A adesão é voluntária e será renovada automaticamente até 2030, prevendo estimativas de redução de emissão, sequestro de carbono e emissões evitadas de gases de efeito estufa (GEE) nos próximos 10 anos.

O Acordo de São Paulo será apresentado na Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas – COP 25 que está sendo realizada em Madri, de 2 a 13 de dezembro, para discutir o cumprimento das metas assumidas no Acordo de Paris, do qual o Brasil é signatário.

Com este Acordo Ambiental, o Estado de São Paulo corrobora com os objetivos do Acordo de Paris, na medida que busca preservar o meio ambiente e amenizar as mudanças climáticas, por meio das empresas que, voluntariamente, assumem um compromisso de reduzir a emissão dos GEE, para conter o aquecimento global.

As empresas aderentes a esse acordo serão reconhecidas como líderes em mudanças climáticas, com oportunidades para a troca de informações entre as partes e divulgação das metas com apoio técnico governamental.

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo – FECOMERCIO SP, por meio do seu Conselho de Sustentabilidade, aderiu ao Acordo, mediante o compromisso de divulgar essa medida aos sindicatos filiados e às empresas para auxiliar no cumprimento do Acordo de Paris. Também aderiram ABRAVA, ÚNICA, APAS, Carrefour, Toyota, entre outras.

Ao aderirem ao Acordo de São Paulo, as empresas devem reportar a emissão atual de GEE, as metas de redução, sequestro e/ou emissão evitada destes gases até 2030 e os resultados alcançados.

As empresas de comércio, serviços e turismo emitem geralmente GEE em atividades rodoviárias, pelo uso de veículos de entregas, descarte de resíduos orgânicos (desperdício de frutas, verduras e legumes – FLV) e sistemas de refrigeração.

Ainda, as empresas podem adotar outras medidas sustentáveis, a exemplo dos cases exibidos na cerimônia Pré-COP 25:

  • Madeiras: preferir aquelas provenientes de reflorestamento e a realização do cadastro no CADMADEIRA.
  • Plantio de árvores nas áreas ajardinadas.
  • Equipamentos refrigeradores: Adequada manutenção ou substituição dos equipamentos antigos por outros com novas tecnologias mais eficientes, bem como o armazenamento e a destinação correta dos fluídos refrigerantes.
  • Relações comerciais: Preferência nas contratações com fornecedores que:

– Participam de sistemas de logística reversa;

– Tenham programas de sustentabilidade implementados;

– Estejam localizados com maior proximidade à empresa (evitando a geração de CO2 durante o transporte das mercadorias);

– Não adotem meios predatórios ou causem desmatamento.

  • Embalagens: preferência na aquisição de produtos mais sustentáveis, com embalagens menos impactantes ao meio ambiente.
  • Recursos naturais: adoção de medidas de redução, como reuso de água e, no caso de energia, geração da própria energia de fonte renovável ou a adoção de equipamentos eficientes.
  • Resíduos sólidos: Implantação de plano de gerenciamento de resíduos sólidos para uma correta e eficaz gestão dos resíduos da empresa.
  • Outras medidas de sustentabilidade como:

– Instalação de secadores elétricos para mãos nos toaletes, substituindo as toalhas de papel (ajuda no combate à emissão de CO2, gerados na produção e no transporte das toalhas);

– Uso de veículos híbridos, preferencialmente o híbrido flex e que a energia elétrica seja de fonte renovável;

– Otimização dos processos de entrega, a fim de evitar a geração de CO2;

– Dentre outros.

A FecomercioSP acredita que as empresas que aderirem ao Acordo de São Paulo terão a imagem fortalecida e os consumidores podem preferir comprar de empresas comprometidas com temas ligados a sustentabilidade.

Comentários