20 de outubro, 2020

Notícias

Home » Destaques » Efeitos das pandemias na economia: da gripe espanhola ao Covid-19

Efeitos das pandemias na economia: da gripe espanhola ao Covid-19

André Cezar Medici

 

O Contexto da Gripe Espanhola

 

Pouco mais de 100 anos se passaram desde a gripe espanhola – a maior pandemia do século XX – cujos efeitos na mortalidade podem ser observados em 3 ondas: a primeira (mais fraca), em março de 1918, quando a guerra ainda estava em curso; a segunda, em novembro de 1918, seguindo o fim da guerra e as comemorações do armistício, que teve grandes proporções, sendo ampliada pelas consequências das más condições de vida das populações européias após os anos de privação trazidos pela guerra; e a terceira, na primeira metade de 1919, intensificada com o retorno das tropas militares para seus países no pós-guerra[1].

 

Os números não são precisos, mas se estima que a pandemia tenha contagiado um terço da população mundial entre 1918 e 1919 (algo em torno de 500 milhões de pessoas), sendo considerada pelo menos quatro vezes mais letal do que a própria Primeira Guerra Mundial, cujas estimativas de mortos alcançam entre 4,4 e 5,5 milhões de militares, e entre 3,7 e 4,0 milhões de civis. A inexistência de bons registros epidemiológicos fazem com que as estimativas de casos sejam difíceis de mapear, tanto no que se refere aos dados de morbidade como mortalidade.

 

Estimativas originais de 1920 calcularam o número de mortes em torno de 21,5 milhões[2], mas revisões posteriores estimam que a pandemia foi responsável por levar à morte entre 24,7 e 39,3 milhões de pessoas[3]. Estimativas mais alarmistas calculam que o número de mortes poderia ter chegado até a 50 ou 100 milhões de pessoas. Mas o fato é que boa parte destas mortes ocorreram em territórios que não participaram diretamente da guerra, como a Índia, cujo número de mortes é estimado em 13,8 milhões nas províncias coloniais inglesas do país[4]. Por este motivo, muitos consideraram a Índia como o epicentro da gripe espanhola.

 

Impactos Econômicos e Sociais da Gripe Espanhola

 

É importante levar em conta que a gripe espanhola teve impacto negativo nos níveis de atividade econômica, emprego e renda nos países europeus e nos Estados Unidos no curto prazo, mas há que considerar que a economia européia tinha sido vilipendiada pela guerra quando a pandemia se inicia, o que faz com que os efeitos econômcos das duas crises – a provocada pela guerra e a gripe espanhola – se confundam em 1918 e 1919. Embora os dados econômicos da época sejam escassos, alguns estimam que o impacto negativo da gripe espanhola no PIB mundial foi de 6%, e no consumo agregado, este impacto chegou a 8%[5]. Cerca de doze países sofreram desastres macroeconômicos baseados na queda do PIB e oito sofreram desastres similares baseados na queda do consumo. Isto tornaria a gripe espanhola o quarto evento com maior impacto econômico negativo desde 1870. Os tres primeiros foram a 2ª. guerra mundial, a grande depressão dos anos 1930 e a 1ª. guerra mundial.

 

Manchetes dos jornais da época comentavam que a gripe espanhola teve um impacto adverso no mercado de trabalho, dado que trazia uma taxa de mortalidade maior entre as pessoas em idade ativa (15 a 49 anos de idade) levando muitos trabalhadores que estavam no auge de suas vidas laborais à morte precoce. Isto certamente foi uma barreira para a recuperação à curto prazo dos níveis de pobreza na Europa que já eram altos em decorrência da guerra.

 

Mesmo os países que ficaram neutros na guerra, como a  Suécia por exemplo, relatam um aumento dos domicílios em condições de pobreza, dado que cada morte causada pela pandemia entre chefes de família levava três pessoas adicionais para condições de pobreza. Efeitos negativos no caso da Suécia, tambem foram conhecidos nos ganhos de capital, mas não ocorreram em rendimentos em geral. A escassez de mão de obra propiciada pela pandemia levou a um subsequente aumento dos salários e dos rendimentos nos pequenos negócios[6].

 

No caso dos Estados Unidos, o gráfico abaixo mostra o impacto da gripe espanhola no nivel de renda per-capita ajustado pela inflação. Verifica-se que o nível de renda que vinha crescendo em 1917 se estagna em 1918, seguido de uma queda em 1919 que foi o ano onde o impacto econômico da segunda onda da pandemia ocorreu com maior intensidade. A estagnação econômica continuou em 1920, provavelmente por efeitos da pandemia associados ao mercado de trabalho. Mas mesmo assim há claras razões para pensar que a gripe espanhola teve menos impacto econômico do que uma grande pandemia teria agora. Se por um lado, a reorganização da indústria trazida pela guerra gerava mais trabalho para todos, apesar de certas indústrias sofrerem grandes perdas, por outro, a elevada mortalidade de trabalhadores trazida pela gripe fez os salários subirem para aqueles que sobreviveram.

 

 

 

Apesar dos efeitos a curto prazo, a gripe espanhola teve poucos impactos econômicos negativos a longo prazo. A partir de 1921 se inicia um período de prosperidade na economia norte-americana.

 

 

 

 

Outro ponto a destacar é que, surpreendentemente, o mercado de ações foi pouco afetado pelo surto de gripe espanhola, como demonstra o gráfico acima, refletindo a movimentação do índice Down Jones entre 1918 e 1919. Obviamente, a guerra já havia reduzido o comércio exterior e rompido cadeias produtivas globais por um longo período de tempo. A gripe espanhola se iniciou em 1918 e o fim da guerra teve um impacto positivo no mercado de capitais, minimizando os efeitos negativos da gripe que se iniciava ao final do conflito. A segunda e pior onda de gripe ocorreu no final da guerra, quando a paz foi finalmente alcançada após quatro anos de destruição devastadora.

 

A euforia com o fim da  guerra eclipsou eventuais preocupações com a gripe espanhola entre os governos, a sociedade e os mercados. Quando a onda final da gripe espanhola desapareceu em fevereiro de 1919, o índice Dow Jones teve um aumento de 50%, que durou até novembro de 1919. Se esse aumento ocorreu por causa do fim da guerra, do fim da gripe ou das duas coisas é impossível saber, mas certamente havia algum nível de confiança que pode alavancar a recuperação econômica.

 

O Covid-19 e a Economia Mundial em fase de Incerteza

 

Todos sabem que a economia responde aos níveis de incerteza associados ao comportamento dos mercados e agentes econômicos. Se existe algum nível de previsibilidade, os investidores vão colocar recursos e apostar nos mercados, fazendo com que uma onda de expectativas positivas possa conduzir ao crescimento do produto[7]. Mas se existem fatores que elevam o nível de incerteza, os atores econômicos revem suas decisões e reduzem seus níveis de investimento levando os mercados à crise e aumentando a preferência por ativos líquidos.

 

Pandemias tem sido, ao longo da história, fatores que aumentam o nível de incerteza dos mercados e portanto, podem levar a decisões que inibem os investimentos e induzem à recessão. Mas a mensuração de como as pandemias afetam o grau de incerteza econômica é difícil de avaliar e medir. Recentemente, economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) em associação com a Universidade de Stanford, criaram em 2018 um índice específico para medir o grau de incerteza associado a endemias[8], denominado Índice Mundial de Incerteza Pandêmica (WPUI em inglês).

 

O WPUI é medido de uma forma indireta em 143 países, sendo construído a partir da contagem do número de vezes que a incerteza é mencionada nas proximidades de uma palavra relacionada a pandemias nos relatórios de países pesquisados pela Economist Intelligence Unit (EIU)[9]. Especificamente, o índice é o percentual da palavra “incerto”, e suas variantes, que aparecem próximas aos termos de pandemia nos relatórios de países da EIU, multiplicados por 1.000. Um número maior significa maior incerteza relacionada a pandemias e vice-versa.

 

O Fundo Monetário Internacional, em sua página web de 4 de abril de 2020, publicou a avaliação do WPUI entre o primeiro trimestre de 1996 e o primeiro trimestre de 2020, para uma sequência de pandemias ocorridas durante este período e o resultado pode ser visto no gráfico que se segue:

 

 

 

Fica claro o elevado grau de incerteza gerado pelo Coronavirus em 2020, comparado ao de outras pandemias anteriores da década passada. Este choque de incerteza gerado pelo Covid-19 tem criado pânico nos mercados de capitais, desencadeando uma forte resposta do sistema financeiro e dos Bancos Centrais, indicando que se os problemas de liquidez persistirem e os problemas da economia real levarem a baixas contábeis, escassês de investimentos e baixa formação de capital bruto, crises no sistema financeiro poderão surgir, associadas a uma queda prolongada nos níveis de emprego e produtividade.

 

 

A incerteza associada a pandemia do Corona Virus criou uma forte oscilação nos mercados de capitais nos últimos dois meses (fevereiro-março de 2020). A variação média do Índice Dow-Jones da Bolsa de New York acumulou uma queda de 29% entre 12 de fevereiro e 3 de abril de 2020 (ver gráfico acima). Ao que parece, há muita sensibilidade entre o aumento de casos do Covid-19 e a queda do Dow-Jones, ainda que medidas anunciadas pelo governo Trump, como o pacote de estímulo a economia de US$ 2 trilhões em 2020, possam ter tido efeitos positivos nos últimos dias de março nas flutuações do índice. A pandemia provocada pelo Covid-19 é a maior pandemia do século XXI até o momento e seus efeitos econômicos já são e poderão ser mais devastadores nos próximos meses ou mesmo anos.

 

Um Falso Dilema

 

Enquanto a pandemia do Covid-19 continua aumentando exponencialmente ao redor do mundo, muitos governos, seguindo os resultados relevados pela experiência da Província de Hubei na China na rápida redução do número de casos novos, e dada a inexistência de testes, vacinas e equipamentos de proteção pessoal para os trabalhadores de saúde, passaram a adotar o  distanciamento social como forma de reduzir o contágio e consequentemente a pressão sobre os serviços de saúde, com vistas a evitar picos de pandemia que possam ir além da capacidade de resposta dos sistemas de saúde. No entanto, muitos acusam que tais medidas cortam o fluxo de produção e circulação de mercadorias, podendo provocar uma recessão global de grandes proporções com efeitos piores sobre a população do que a própria pandemia.

 

O distanciamento social como estratégia para reduzir a pandemia do Covid-19 foi contextado inicialmente por muitos governos, como a prefeitura de Milão, na Itália e o próprio Presidente Donald Trump nos Estados Unidos. No entanto, o observação histórica da própria experiência norte-americana durante a pandemia da gripe espanhola mostrou que cidades que de forma antecipada organizaram medidas de distanciamento social tiveram muito melhores rezultados, não só na redução do número de mortes, mas também na recuperação econômica pós-pandêmica, quando comparadas com aquelas que não adotaram tais medidas[10].

 

Portanto, os impactos da estratégia de distanciamento social, ao contrário do que pensaram inicialmente muitos governos com a perspectiva de preservar suas economias, poderá ser mais positiva na recuperação econômica de longo prazo (além de trazer menos mortes associadas) do que as estratégias de não realizar o isolamento social.

 

Um isolamento social seletivo (ou vertical, como está sendo denominado no Brasil) so faria sentido se fosse possível identificar em massa o número de positivos através de testes e rastrear a rede de contactos dos positivos para que estes dois conjuntos se submetessem a quarentenas e, dessa forma, quebrassem a correia de transmissão. Alguns países como a Suécia, Coréia do Sul e Israel, utilizaram estas estratégias mas são países que contam com níveis de tecnologia, controle social, sistemas de informação e organização dos serviços de saúde mais avançados. Além do mais, começaram a realizar os testes com muita antecedência permitindo um mapeamento dos casos positivos ainda no inicio da fase de crescimento da pandemia. Mesmo assim, no momento em que escrevia este artigo, a Suécia já estava revendo sua política em prol do isolamento social por não ter conseguido, com a estratégia anterior, o achatamento da curva epidemiológica no ritmo desejado.

 

Muitos países como a Itália, Espanha e os Estados Unidos tiveram falhas em não iniciar o distanciamento social no momento certo ou em não realizar testes para mapear os casos com antecipação gerando situações de estresse em seus sistemas de saúde e tendo uma demanda para o tratamento de casos agudos de Covid-19 acima da capacidade de atendimento de seus sistemas de saúde. Ainda que tenham partido posteriormente para o isolamento social compulsório, estes países tem dificuldades de realizá-lo de forma plena como ocorreu no caso da Provincia de Hubei (especialmente na cidade de Wuhan) na China, que conseguiu reverter a curva pandêmica após um severo lockdown de toda a população regional.

 

Impactos da Pandemia de Covid-19 no PIB Global

 

Tendo em vista os impactos positivos do isolamento social, não só na redução do número de contaminações e mortes pelo Covid-19, mas também na recuperação da crise econômica que a pandemia irá provocar, a Empresa Consultora Mckinsey[11], utilizando cenários construídos pela Oxford Economics, fez algumas estimativas de como poderá se comportar o PIB em 2020 na economia global, na economia norte-americana, na China e na zona do euro considerando dois cenários.

 

No primeiro cenário, mais positivo e com isolamento social, China e outros países do leste asiático continurão sua recuperação e controle do virus até o fim do segundo semestre de 2020. Europa e Estados Unidos também controlarão a pandemia mediante dois a três meses de isolamento social. O crescimento de novos casos alcançará seu climax entre os meses de abril e junho, quando começam a declinar através de uma forte resposta dos sistemas de saúde e favorecidos pelos efeitos de uma eventual sazonalidade do virus. Os resultados no PIB podem ser verificados no gráfico abaixo.

 

 

Neste cenário, as medidas de contenção adotadas no segundo trimestre de 2020 propiciarão uma retomada do crescimento no segundo semestre mais intensa, a partir de um contexto epidemiológico de controle da transmissão do virus. Em todos os casos, o decréscimo do PIB global, após alcançar -5,3% no primeiro semestre de 2020, poderá se reduzir para -1,8% na totalidade do ano de 2020, com impactos diferenciados em cada Região, isto é, com a China sofrendo um decrescimo anual em seu PIB de apenas -0,5% e a Zona do Euro e os Estados Unidos sofrendo mais, com decréscimos anuais no produto de 10% e 8%, respectivamente. A economia poderá se recuperar totalmente entre fins de 2020 e o segundo trimestre de 2021

 

No segundo cenário – mais negativo por não ter o isolamento social – a contaminação global pelo virus avançará sem um declínio sazonal e os sistemas de saúde em muitos países ficarão sobre-carregados e incapacitados de atender a demanda crescente por atenção aguda aos casos de Covid-19, com agravo aos grupos mais pobres e com impactos humanos e econômicos de larga escala. Os resultados nas projeções do PIB para 2020 podem ser observados no gráfico abaixo.

 

 

 

 

Com a China experimentando um afrouxamento precoce de medidas de isolamento social, poderá existir a chance de uma segunda onda do Covid-19 ainda no primeiro semestre que poderá prorrogar-se no segundo semestre. Com uma recuperação econômica mais lenta e incapaz de manter sua capacidade de exportação nos níveis anteriores ao da pandemia pela redução do comércio global, a economia chinesa poderá sofrer uma contração sem precedentes, levando a um decréscimo maior no PIB de 2020 do que o estimado no cenário anterior (-2,3% comparado com 0,5%).

 

Maiores perdas são estimadas na Europa e nos Estados Unidos, onde, além de mais vidas humanas perdidas, o PIB poderá se contrair 10,6% e 8,7% em 2020, respectivamente, em função da falência de muitas empresas e da perda de numerosos empregos. O PIB mundial neste cenário cairía 5,3% em 2020 e a recuperação das economias poderá ser muito mais lenta, extendendo-se entre o quarto trimestre de 2022 e o quarto trimestre de 2024.

 

Como evitar perdas ainda maiores durante a recessão?

 

Existe atualmente um grande consenso técnico de que no atual estágio de crescimento da pandemia e falta de medidas para sua contenção, como vacinas, o isolamento social é a melhor solução de curto prazo para evitar o crescimento vertiginoso da curva pandêmica. Mas o isolamento social não deve ser visto como uma fase indefinida de marasmo e paralização. Ao contrário, ele deve ser visto como um momento de alta concentração de esforços tanto no lado da saúde pública e dos sistemas de saúde, como também na geração de medidas econômicas que minorem as perdas de setores essenciais da economia, das populações vulneráveis, empregos e, ao mesmo tempo preparem o terreno para manter estável o sistema financeiro e a retomada do crescimento. Em outras palavras, é necessário muito trabalho e um grande esforço de planejamento e políticas públicas durante o período de isolamento social.

 

Pelo lado da saúde pública, medidas de monitoramento e contenção, como a realização de testes (incluindo os rápidos) para todos os que necessitem, a começar pelos profissionais de saúde e os casos graves que chegam aos hospitais, mas também extendidas à população com sintomas leves e mesmo assintomáticos, são essenciais para conhecer e isolar aqueles que necessitam maior suporte e com isso, retardar a propagação do vírus e reduzir a pico de necessidades de utilização dos sistemas de saúde.

 

Em países sem redes de proteção social as intervenções em saúde devem ser direcionadas alcançar setores informais e aqueles que vivem em extrema pobreza. O teste de amplos segmentos da população, começando pelos segmentos de maior risco e os sintomáticos, é necessário para documentar o progresso e programar quando é seguro retomar a atividade econômica nas regiões afetadas pela pandemia, e com isso ter portas de saída mais rápidas do isolamento social.

 

Em um momento como o atual, é necessário fazer as contas rapidamente, saber quanto se necessita e não poupar recursos públicos para financiar o que for necessário para cobrir as necessidades urgentes de saúde pública e de infra-estrutura hospitalar, incluindo testes, recursos humanos qualificados, material de proteção pessoal, equipamentos (como ventiladores mecânicos) e insumos para o combate a pandemia. Também são necessárias inovações nas formas de atendimento, como o uso da tele-medicina, recrutamento de pessoal extraordinário, construção de hospitais de campanha e coordenação de uma resposta industrial rápida para a produção destes equipamentos, insumos e capacidades humanas.

 

O esforço de informar as populações sobre a gravidade da crise e mudar comportamentos individuais também é imprescindível, não só por parte do governo, mas também da imprensa e setores responsáveis da sociedade, evitando e coibindo as fake-news que acabam desinformando e gerando pânico.

 

Pelo lado da economia, os governos devem fornecer um apoio considerável às pessoas e empresas afetadas. Subsídios salariais para trabalhadores de empresas que terão que desacelerar ou fechar sua produção temporariamente podem ajudar a evitar falências em cascata e demissões em massa que teriam efeitos duradouros para recuperação futura e impacto negativo na demanda agregada. Ao mesmo tempo, transferências em dinheiro para famílias de baixa renda e trabalhadores do setor informal podem apoiar o consumo e preservar o atendimento às necessidades mínimas essenciais.

 

Estímulos fiscais podem ajudar a suportar a demanda agregada. Opções como cortes seletivos de impostos ou adiamento dos prazos de recolhimento podem ajudar empresas e famílias a não aumentar de forma insuportável seus níveis de endividamento e manter o consumo, mas isso terá que ser ponderado pela duração estimada da pandemia e pelo espaço fiscal adicional que o governo conseguir ampliar por mecanismos de crédito e moeda. É necessário evitar interrupções nas cadeias de suprimento essenciais e, quando possível, dar suporte a investimentos ou medidas que possam apoiar a manutenção de atividades em tempo de crise.

 

Os Bancos Centrais, por sua vez, poderão contribuir para aumentar a liquidez da economia e para melhorar o funcionamento dos mercados de crédito, através de operações de mercado aberto, empréstimos a prazo expandidos e outras medidas. A flexibilização monetária apoiará a demanda e a confiança, reduzindo os custos de empréstimos para as famílias e empresas. Além dos cortes nas taxas de juros, onde houver espaço, estímulos podem ser fornecidos por meio de orientações futuras sobre o caminho esperado da política monetária e expansão das compras de ativos nos setores essenciais mais atingidos.

 

Muitos países, inclusive os Estados Unidos, com seus US$ 2 trilhões de estímulo fiscal, e o Brasil, com as medidas que estão para ser implementadas na próxima semana, tem adotado diferentes modalidades de pacotes de estímulo. No caso dos países desenvolvidos, a resposta fiscal tem sido oportuna, mas até o momento permanece menor do que o que foi realizado durante a crise financeira de 2008, podendo não ser suficiente para restabelecer os níveis de confiança necessários para a recuperação econômica pós-pandêmica.

 

Nos países de baixa renda, apesar da existência de (limitadas) políticas domésticas que podem ser implementadas, os efeitos da crise vão depender da reação da economia global, dado que muitos destes países são (ou serão) duramente afetados por choques na demanda externa, termos de troca e falta de investimentos, num momento em que os capitais internacionais procuram algum porto seguro. A capacidade dos países de menor desenvolvimento em suavizar os efeitos da crise é bastante limitada em decorrência de dívidas (internas e externas) elevadas e recursos monetários ou financeiros limitados. O FMI e os Bancos Multilaterais de crédito deverão, sem vias de dúvida, ter um papel essencial no aumento de financiamento concessional para a resposta ao Covid-19 e para o retorno ao crescimento.

 

Tanto o FMI quanto o Banco Mundial estão se preparando para responder, no curto e médio prazo, à crise mundial gerada pela pandemia do Covid-19. O FMI está pronto para mobilizar sua capacidade de empréstimo de US $ 1 trilhão para ajudar seus membros a combater os custos humanos, econômicos e financeiros generalizados da pandemia, dado que muitos países, especialmente os mais pobres, estão em risco e  precisam de apoio devido a debilidade de seus sistemas de saúde, espaço político limitado e alta exposição aos choques comerciais e repercussões financeiras observadas nos últimos dias. Já o Banco Mundial está preparado para emprestar até US $ 160 bilhões nos próximos 15 meses para apoiar medidas contra a epidemia do  Covid-19, de forma a responder às suas conseqüências imediatas na saúde e promover a recuperação e o crescimento econômico. O Banco estaria tecnicamente preparado para apoiar os países na redução do tempo de recuperação da economia, criar condições de crescimento, apoiar pequenas e médias empresas e ajudar a proteger os pobres e vulneráveis.

 

[1] Honigsbaum, M, Living with Enza: The Forgotten Story of Britain and the Great Flu Pandemic of 2018, Palgrave Macmillan, London, 2008.

 

[2] Taubenberger, J.K & Morens, D., 1918 Influenza: The Mother of All Pandemics, Emerging Infectious Diseases Journal, Volume 12, Number 1, January 2006, Ed. Centers for Disease Control and Prevention (CDC).

 

[3] According Ourworldindata.org.

 

[4] Chandra, S. & Kassens-Noor, E. The Evolution of Pandemic Influenza: Evidence from India, 1918-1919, in BMC Infectious Diseases, 2014; 14:510.

 

[5] Estes dados podem ser encontrados em um trabalho recente do Forum Econômico Mundial publicado em 23 de março de 2020. Ver Barro, R., Ursua, J. & Weng, Joanna, Coronavirus and the lessons we can learn from the 1918-1920 great influenza’s pandemic.

 

[6] Karlsson, M., Nilsson, T. & Pishler, S., The Impact of the 1918 Spanish Flu Epidemic on Economic Performance in Sweden: An Investigation into the Consequences of an Extraordinary Mortality Shock, April 3, 2013. Link: http://conference.iza.org/conference_files/SUMS_2013/pichler_s6888.pdf

 

[7] O conceito de incerteza foi introduzido em economia por John Maynard Keynes e está presente em suas principais obras (A Treatise on Probability, 1921, A Treatise of Money,1930, e The General Theory of Employment, Interest and Money, 1936). Também pode ser encontrado na obra de Knight, F., H., (Risk, Uncertainty and Profit, Chicago, University of Chicago Press, 1921). Ele está associado a como os agentes econômicos se comportam de acordo com a informação e suas decisões de investimento de acordo com fatores que afetam o comportamento dos mercados e da economia como um todo.

 

[8] Ahir, H, N Bloom, and D Furceri (2018), “World Uncertainty Index”, Stanford mimeo.

 

[9] A EIU faz um relatório de desempenho da economia trimestral para cada uma dos 149 países que fazem parte de seu painel

 

[10] Os economistas Sergio Correia, Stephan Luck e Emil Verner divulgaram um documento de trabalho (ainda não revisado por pares) na semana passada que torna esse argumento extremamente persuasivo. Os três analisaram a pandemia de gripe  espanhola nos Estados Unidos (1918-1919) comparando cidades que adotaram políticas de quarentena e isolamento social mais cedo do que aquelas que adotaram mais tarde. Eles concluiram que as primeiras cresceram economicamente de forma mais rápida ao término da epidemia do que aquelas que adotaram estas medidas tardiamente. Ver Correia, S., Stephan, L. & Verner, E., “Pandemics Depress the Economy, Public Health

Interventions Do Not: Evidence from the 1918 Flu”, March 30, 2020, pre-print draft.

 

[11] McKinsey & Company (2020), Covid-19: Briefing Materials – Global Health and Crises´ Responses. Update April 3, 2020. Como a modelagem destas estimativas leva em consideração a evolução da curva epidemiológica e indicadores econômicos conjunturais que, neste contexto, mudam semanalmente (como o caso do número de pedidos de seguro desemprego nos Estados Unidos que já alcançam 10 milhões ao final da semana passada) as estimativas sobre o crescimento do PIB necessitam de constantes atualizações.

 

Posted by Andre Medici at 3:43 PM  

Labels: Covid-19Doenças TransmissíveisEconomia da Saúde

 

Comentários

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá! Tudo bem?
Como podemos te ajudar?